Contato

Base Florianópolis - Santo Antônio de Lisboa
Prof. Marcelo Visintainer Lopes
fone: (48) 988.11.31.23



sábado, 5 de setembro de 2020

Quem veleja tem história # 2 - parte 2

Perrengue na perna Salvador – Vitória 

 

Por Marcelo Visintainer Lopes

Instrutor de Vela      

Escola de Vela Oceano

Imagens: André Larréa

  

Saímos de Abrolhos ao entardecer daquele mesmo dia que o motor decretou falência...

A frente fria tinha acalmado, mas ainda havia muita correnteza contra.

A previsão demonstrava uma janela 12 horas de vento fraco até a aproximação de uma nova massa de ar que viria de S/SW (mais uma condição contrária).

Aproveitamos aquele período precioso para repor as energias e relaxar, pois sabíamos que a próxima frente seria muito mais intensa e desgastante que a primeira.

Como o barco não possuía fontes alternativas de geração de energia, a única maneira de carregar as baterias era através do alternador.

Alternador precisa do motor funcionando não é mesmo?

Pois é...

Tivemos que entrar no “modo economia” afim de garantir as funções básicas do barco (luzes, piloto e GPS).

A missão a partir dali era conseguirmos manter o barco velejando para frente com o mínimo consumo de baterias.  

Ficar sem piloto, sem o chartplotter e sem a geladeira era o menor dos problemas.

A única coisa que não poderia acontecer era a gente ficar no escuro (sem luzes de navegação) A região é conhecida pela quantidade enorme de pesqueiros e também pelo intenso trânsito de navios.

Olhando no horizonte ao W/NW dava para perceber perfeitamente a primeira massa passando pela nossa popa.

Uma estreita faixa de céu azul demarcava o final de uma e o início da outra (no horizonte ao SW).

Dava para ver e sentir tudo o que estava por vir...

Aquelas poucas horas de intervalo e descanso pareciam dias de recompensa e aproveitamos cada segundo como se fosse o último (que de fato seria).

A segunda massa de ar entrou com tudo, bem mais forte do que a primeira e também mais rajada.

Velejamos com a vela grande toda para cima, deixando panejar um pouco da testa. Diminuir a vela grande com aquela buja minúscula lá na proa seria um tiro no pé.

O vento contra e a corrente contra faziam com que a nossa velocidade não ultrapassasse os 3kt.

Com esta configuração conseguimos manter o barco mais de pé e com alguma potência para cruzar aquelas vagas que quebravam na bochecha.

A deriva lateral também era administrada já que não podíamos deixar o barco cair muito para sotavento. 

As 170 milhas (em linha reta) de distância que nos separava de Vitória se transformaram em aproximadamente 250 milhas por causa do contra vento.

Tentar velejar pelo bordo positivo nem sempre era a melhor opção em função da forte correnteza.

Um bordo negativo com a corrente mais de proa fazia o barco avançar bem mais do que um bordo positivo com a correnteza pegando mais de lado na quilha.

No meio da primeira madrugada a vela grande desceu sozinha depois da adriça estourar.

Não havia adriça reserva e subir no mastro naquelas condições poderia causar consequências sérias.

Seguimos com aquela pequena vela de proa em meio ao mar que não parava de crescer.

O mar tomou tanto volume que as ondas passavam dos 3m de face e as espumas das cristas já passavam de 1m.

O vento alternava entre 28kt e 35kt e a nossa velocidade real não passava de 1,5kt, mesmo velejando um pouco mais arribado.

Velejar totalmente contra o vento era impossível. A buja além de pequena era uma tábua de tão chata. Faltava potência e por isto tínhamos que velejar mais arribados e com ela um pouco mais gorda na esteira.

O barco andava tão devagar que ficamos avistando o Farol de Regência por dois dias consecutivos.

Nossa tripulação detesta esse farol até hoje! Rsrsrsrsrs.

Em meio àquela lentidão cruzávamos com gigantescas redes de pesca.

Ao arribar para desviar de uma rede perdíamos valiosos metros.

Lá pela terceira rede eu decidi não desviar mais.

Pensei: a próxima eu corto!

Logo fui chamado pelo rádio: atento veleiro, atento veleiro, aqui é o pesqueiro dono da rede na sua proa.

Veleiro na escuta...

Amigo você está rumando para cima da minha rede.

Ok, entendido amigo, mas a situação é a seguinte: estamos velejando a 1,5kt só com uma vela de emergência. Nossa vela principal está fora de operação e estamos com pane de motor.

Já desviamos de muitas redes, mas a sua, além de gigantesca, está em uma posição que nos obrigaria a andar muito tempo para trás.

Compreendo sua situação e autorizo o corte do cabo principal.

Ele me perguntou se havia um alicate de corte a bordo, já que o cabo principal era de aço de 8mm.

Barcos de travessia possuem alicate de corte e ele estava bem à mão.

Toquei para cima da rede até o barco parar.

Puxamos o cabo de aço com o croque e conseguimos cortá-lo.

Estávamos livres!

Eu me senti uma baleia sendo solta de uma rede.

Agradeci o pescador e seguimos adiante.

Poucas horas depois fomos chamados novamente: atento veleiro, atento veleiro.

Pensei: outra rede não!

Atento, atento veleiro, aqui navio plataforma.

Pelo menos não era um pesqueiro, mas qual o motivo do chamado?

Somos um navio plataforma e gostaríamos de iniciar os procedimentos de partida do nosso ponto de ancoragem.


Escola de Vela Oceano - navio plataforma lá fora na linha do horizonte



O mar estava tão gigante que nem notamos a presença do navio. Ele estava no horizonte ao leste.

Em que posso ajudar perguntei?

Vocês estão dentro do perímetro de segurança e o navio não pode iniciar os procedimentos antes que vocês saiam deste perímetro.

Os homens do mar são fantásticos!

Expliquei tudo o que já havia falado para o pesqueiro e tive a mesma compreensão: ok, vamos aguardar a passagem de vocês!

Quando a cidade de Vitória apareceu no horizonte o vento já havia começado a diminuir de intensidade.

Eu só rezava para que ele não acabasse, pois não seria fácil entrar na barra só com aquela vela de proa.

Adivinhem o que aconteceu?

Sim, o vento acabou a poucas milhas da entrada da barra e a maré tocando para fora.

O dia estava amanhecendo e seguimos velejando lentamente até avistarmos um pesqueiro.

Pedimos reboque, mas ele disse que não tinha como nos ajudar.

Tá bem, segue o baile!

Na sequência fomos chamados pelo rádio. Era a Marinha do Brasil.

Alguém seguiu nossa conversa com o pescador e avisou a Marinha que havia um barco pedindo reboque.

O cara quis só ajudar, mas sem saber acabou nos ferrando um pouquinho mais...

Em meio a todo aquele trânsito de navios, buscávamos velocidade para não perder o leme, mas a Marinha insistia no modelo “interrogatório”.

Demoraram tanto com as perguntas que o tempo passou e conseguimos velejar até próximo do píer do clube.

O bote de apoio nos rebocou para dentro e assim finalizamos a missão.

Meu respeito e toda a minha admiração pelos tripulantes André, Carlos e Leandro!



Escola de Vela Oceano - entrando na barra de Vitória



Escola de Vela Oceano - bote rebocando para dentro do Iate Clube de Vitória



Escola de Vela Oceano - tripulação completa




Vela Oceânica em Florianópolis, Aula de Vela em Floripa, Escolas de Vela no Brasil
Aprenda a velejar em Floripa, Escola de Vela Oceano, Universidade da Vela no Brasil
Veleiro Floripa, Barco à Vela Florianópolis, Charter de Veleiro em Floripa
Como aprender a velejar? Quero aprender a velejar, Velejar é uma arte
Aluguel de barco em Floripa, Aluguel de Veleiro para comerciais e filmes
Curso de Veleiro, Escola de Veleiro, Curso Navegação Costeira, Curso Iatismo
Travessias Oceânicas, Vela de Cruzeiro, Curso de Vela de Cruzeiro
Escola de Iatismo, Vela de Cruzeiro, Vídeos de Veleiro, Vídeos Velejando
Professor Marcelo Visintainer Lopes, Velejar, Onde aprender a velejar?
Escola de Vela Itajaí, Curso de Vela Oceânica Itajaí, Aula de Vela Itajaí
Escola Veleiro Itajaí, Velejar Itajaí, comprar veleiro, vender veleiro, aulas de iatismo
Morar em um veleiro, morar a bordo, quanto custa morar em um veleiro