Contato

Base Florianópolis - Santo Antônio de Lisboa
Prof. Marcelo Visintainer Lopes
fone: (48) 988.11.31.23



segunda-feira, 18 de maio de 2020

Travessias Oceânicas em Floripa, Aulas de Vela e Charter - agenda julho a outubro

Cursos de Vela Oceânica em Florianópolis
Travessias Oceânicas
Charter com tripulação

Escola de Vela Oceano
Florianópolis

Morar a bordo?
Fazer uma travessia oceânica em um veleiro?
Fazer uma volta ao mundo?

Na Escola de Vela Oceano o seu sonho poderá sair do papel mais rápido do que você imagina!

Professor Marcelo Visintainer Lopes
33 anos de experiência no ensino da vela


Confira a agenda de julho a outubro:



escola de vela oceano - arte da agenda de cursos de vela, travessias oceânicas e charter


Vela Oceânica em Florianópolis, Aula de Vela em Floripa, Escolas de Vela no Brasil
Aprenda a velejar em Floripa, Escola de Vela Oceano, Universidade da Vela no Brasil
Veleiro Floripa, Barco à Vela Florianópolis, Charter de Veleiro em Floripa
Como aprender a velejar? Quero aprender a velejar, Velejar é uma arte
Aluguel de barco em Floripa, Aluguel de Veleiro para comerciais e filmes
Curso de Veleiro, Escola de Veleiro, Curso Navegação Costeira, Curso Iatismo
Travessias Oceânicas, Vela de Cruzeiro, Curso de Vela de Cruzeiro
Escola de Iatismo, Vela de Cruzeiro, Vídeos de Veleiro, Vídeos Velejando
Professor Marcelo Visintainer Lopes, Velejar, Onde aprender a velejar?
Escola de Vela Itajaí, Curso de Vela Oceânica Itajaí, Aula de Vela Itajaí
Escola Veleiro Itajaí, Velejar Itajaí, comprar veleiro, vender veleiro, aulas de iatismo
Morar em um veleiro, morar a bordo, quanto custa morar em um veleiro

quarta-feira, 8 de abril de 2020

terça-feira, 7 de abril de 2020

Travessias Oceânicas - Velejar contra ou a favor?

Por Marcelo Visintainer Lopes – Escola de Vela Oceano

Instrutor de Vela e Consultor Náutico


Qual o melhor ângulo para velejar em uma travessia?
Contra vento ou a favor dele?


Velejar em harmonia com a natureza (a favor do vento e das ondas) é sempre a melhor maneira para realizar uma travessia oceânica.
Velejadores menos experientes costumam apresentar resistência em velejar a favor do vento por causa dos mitos criados em torno do pêndulo, do jibe chinês e das atravessadas.

A verdade é que os ventos e mares de popa nos levam ao destino com mais facilidade e com menor esforço.
Velejar a favor do vento só traz benefícios para o barco e para a tripulação e a vida a bordo fica bem menos complicada.
Podemos descansar, dormir, cozinhar, comer e realizar manutenções com muito mais tranquilidade.

Em determinadas situações é preferível deixar o barco em algum lugar seguro e buscá-lo quando as condições melhorarem ou até mesmo contratar um serviço de transporte por terra.
Pode até parecer bobagem, mas esta situação é muito comum na perna de Rio Grande a Florianópolis, principalmente com barcos com menos de 30 pés.
Já vi muita gente optando pelo transporte por terra depois de tentativas frustradas de levar o barco por água.
Se acertar a meteorologia vai dar tudo certo. O problema é a ansiedade que a navegação do trecho gera, o que acaba levando ao erro na avaliação da “janela de tempo”.


As técnicas

O conforto da velejada vai depender diretamente das técnicas utilizadas pelo comandante.
A principal medida é melhorar a estabilidade lateral utilizando a genoa para o lado contrário da vela grande (asa de pomba).
O pau de spinnaker garante que a genoa permaneça sempre cheia de vento e também ajuda na estabilidade do barco. Se a genoa estabilizar o barco também estabiliza.
Duas genoas abertas para lados opostos (asa de borboleta) também funcionam de maneira parecida com a asa de pombo. Neste caso é comum arriar a vela grande.
Muitas outras configurações podem ser tentadas com ventos moderados.
Os mais experientes costumam adriçar todas as velas possíveis.
Vale ressaltar a importância de amarrar a vela grande ou de utilizar sistemas de prevenção contra a pancada da retranca em um jibe involuntário.
É normal perdermos a noção da velocidade do vento quando o vento de popa aumenta. A constatação do aumento da velocidade do barco deve ser observada com mais atenção. Se a velocidade do barco aumentar é porque o vento também aumentou.
Quando o vento aumenta o mar também tende a crescer. Isto faz com que administremos o tamanho da vela e a velocidade do barco com mais cautela.
A vela grande deve ser rizada, preferencialmente, antes do vento aumentar ou logo no início da constatação do aumento.
Comandantes mais conservadores costumam rizar antes de anoitecer (independente das condições).
A genoa pode ser enrolada a qualquer instante e bem mais tarde do que a grande.
Com vento mais forte é melhor utilizar a vela grande rizada e asa de pomba com a genoa bem enrolada (tamanho de uma buja de tempestade ou menor).
A vela grande quase não produz esforços estruturais se comparada à genoa, pois ela está armada no mastro (todo estaiado).
Por estar presa somente no estai de proa a genoa produz fortes solavancos que atingem toda a mastreação e consequentemente outros pontos do casco.
Fixações, pinos, contra pinos, roscas e parafusos também tendem a sofrer muito nas condições de vento mais duro. Sendo assim é aconselhável retirar a genoa e velejar só com a grande bem rizada.


Surfar ondas grandes

Para os velejadores mais experientes, andar rápido e surfar ondas grandes é uma das sensações mais incríveis que um veleiro pode proporcionar.
Bater recordes de velocidade e conectar duas ou mais ondas na mesma surfada é garantia de diversão.


O mar de popa pode ser desconfortável?

Se o vento estiver fraco sim!
As velas ficam batendo de um lado para o outro e o barco praticamente não sai do lugar. Amarrar a retranca é obrigatório para evitar as fortes batidas de um lado para o outro. Enrolar a genoa e ligar o motor costuma ser a melhor opção (se for possível)!
Sem motor ou combustível, a única saída é amarrar tudo o que possa bater, cair ou fazer barulho e esperar o vento chegar. 


Velejar contra o vento

Se o mar estiver desorganizado, qualquer condição de vento será desconfortável para a tripulação e para o barco.
O impacto constante e prolongado das ondas contra o casco leva à fadiga do laminado e a consequente diminuição da resistência mecânica.
Praticamente todas as áreas do barco entram em “sofrimento”, incluindo a mastreação, as velas e diversos outros componentes.
A adernação e os movimentos de subida e queda brusca nas ondas dificultam as atividades essenciais a bordo como dormir, cozinhar e comer.
O número de camas também diminui com a adernação. As camas de barlavento só funcionam com a instalação de dispositivos de antepara lateral (lona, rede ou madeira).
Quando as condições de vento e corrente reduzem a velocidade real do barco, o tempo de chegada ao destino aumenta e o consumo de água e alimentação também. O modo “racionamento” costuma ser ativado nestes casos.
Se o objetivo estiver bem contra o vento, a velejada envolverá múltiplas cambadas e o tempo de travessia poderá facilmente dobrar ou triplicar.
Depois de algumas horas velejando contra o vento e contra a correnteza verifica-se que a distância percorrida em direção ao objetivo é muito pequena.
Em muitas situações, a distância percorrida em 24 horas é a mesma de uma velejada de duas ou três horas a favor do vento.
O acréscimo de tempo na previsão de chegada, o desconforto e a perda na qualidade da alimentação costumam aumentar a ansiedade.
Produzir alimentos quentes só é possível com a ajuda do forno, de uma panela de pressão e de alguém desposto a encarar aquela viração lá de baixo.
Normalmente a tripulação vai se virando com ovos cozidos, biscoitos, frutas e sanduiches.



Exceções

Conheço apenas duas razões para um comandante optar em velejar contra o vento:

1. Dias de mar calmo, com vento moderado e constante e com um rumo que leve direto ou próximo ao destino.
Com estas condições de mar (se a corrente não for contrária), o barco desenvolverá uma boa velocidade real.
Navegar em um bordo só, direto ao destino e com o mar nestas condições, pode se transformar na “velejada da vida”.
Esta é a mais pura verdade, principalmente no calor do verão. Neste caso, o vento aparente funciona como um ar condicionado ligado, fazendo com que a sensação de calor diminua bastante.

2. Quando não houver outra opção...
Cuidado com a ansiedade. Se der para esperar pela mudança do vento, espere!
Locais onde a predominância é de contra vento, daí realmente não existe outra maneira.
Ainda assim é preferível estudar bem as condições locais e planejar algo que resolva o problema de uma só vez.
Em muitas situações é melhor optar por outras formas de transporte como citei anteriormente.



Vento de través

A velejada com mar e vento de través pode ser confortável com ventos de médio a fortes e com um bom período entre as ondas.
Com vento fraco e mar desencontrado a retranca fica batendo para os lados, fazendo com que a velejada fique chata e desconfortável.
Amarrar a retranca a sotavento diminui o barulho, mas não melhora o balanço e nem aumenta a velocidade.
Com vento mais forte a situação já melhora, pois as velas ganham pressão, a velocidade aumenta e pode ocorrer uma melhora na estabilidade lateral.
Com mais vento e com a consequente subida do mar podemos ver as cristas quebrando. Com o passar das horas as cristas podem aumentar e cuidados devem ser tomados.
Batidas fortes no costado, adernação demasiada e consequente deslizamento lateral podem ocorrer.


domingo, 5 de abril de 2020

Velejar com Segurança - App Escola de Vela Oceano

Por Marcelo Visintainer Lopes – Escola de Vela Oceano
Instrutor de Vela e Consultor Náutico

Velejar com segurança é essencial e foi pensando nisto que criamos um App específico para checagens antes da partida.
Utilize-o como uma rotina obrigatória e garanta sempre uma velejada mais tranquila!


   Imagem: App Oceano



São seis categorias

1.      Chegando no barco
2.      Antes de sair
3.      Obrigatórios da marinha
4.      Segurança a bordo
5.      Manutenção/emergência
6.      Reservas


Itens por categoria:

1. Chegando no Barco (11 itens)
- meteorologia
- verificar nível do óleo
- verificar nível do líquido de arrefecimento
- verificar tensão das correias
- filtro de combustível
- verificar vazamentos de óleo/combustível
- banco de baterias na posição 1 & 2
- dar partida no motor
- motor liga com facilidade
- marcha lenta
- refrigeração externa


2. Antes de Sair (12 itens)
- luzes de navegação
- gás de cozinha
- velas revisadas
- estaiamento revisado
- enrolador de genoa revisado
- água potável
- água nos tanques
- alimentação compatível
- combustível aditivado
- âncora amarrada e revisada
- fones de urgência na agenda
- genoa pronta para abrir caso pane motor


3. Obrigatórios da Marinha (9 itens)
- aviso de saída
- documentos do barco
- coletes salva-vidas
- boia circular e retinida
- bandeira do brasil
- extintores de incêndio carregados
- buzina ou apito
- pirotécnicos em dia
- habilitação compatível


4. Segurança a bordo (13 itens)
- luzes de navegação
- bomba de porão elétrica
- bomba de porão manual
- cintos de segurança
- linhas de vida
- rádio VHF
- bote de apoio amarrado
- ecobatímetro
- bússola
- primeiros socorros
- GPS ou App de navegação
- lápis, borracha, compasso e régua
- carta náutica de papel



5. Manutenção/Emergência (18 itens)
- desengripante
- limpa contato
- rotor da bomba d’água
- caixa de ferramentas completa
- adesivo reparo velas
- silver tape
- filtro de óleo
- faca afiada
- líquido de arrefecimento
- cones de madeira
- abraçadeiras inox
- abraçadeiras plásticas
- mangueiras bitolas diversas
- cabo de reboque
- cabos bitolas diversas
- moitões e manilhas
- cupilhas e contra-pinos
- âncora e cabo grosso


6. Reservas (10 itens)

- combustível
- aditivo de combustível
- água potável
- fósforo/isqueiro
- carregador de celular
- pilhas
- óleo motor
- filtro de óleo
- líquido de arrefecimento
- GPS ou App de navegação



COMO FUNCIONA:

Baixe o App
Na coluna da esquerda - escolha a categoria
Marque os itens que estiverem OK
Vá mudando de categoria até finalizar
Ao final, se estiver tudo ok, será exibida a mensagem:
“TUDO CERTO PARA A VELEJADA”

Do contrário, se algo ainda estiver faltando, ele não concluirá a verificação.
Toda a vez que você ativar o App vá em “opções” atualize a lista online
Para sair do App:
"opções" – sair do aplicativo

O mais bacana é que você poderá nos dar sugestões de inclusão ou mudança de itens envie um whatsapp: 48 988113123


Desenvolvedor



sexta-feira, 3 de abril de 2020

Dinheiro com barcos. Parte 3 - Instrução de vela

Por Marcelo Visintainer Lopes – Escola de Vela Oceano

Instrutor de Vela e Consultor Náutico


Charter com instrução básica de vela

Os clientes deste tipo de serviço terão uma vivência real de como funcionam as manobras a bordo, recebendo instrução e participando ativamente de todas as atividades propostas.
Diárias variam de 1.000,00 a 2.000,00 também dependendo do tamanho, da idade do barco e da experiência do comandante.

Quatro a seis pessoas seria o número ideal para um atendimento de qualidade.
A despesa é muito baixa (diesel, água e frutas).

Habilitação da Marinha e a capacidade técnica comprovada são imprescindíveis.

Quatro a seis horas seria a duração aconselhada.


Instrução básica de vela

Se você já possui uma experiência em veleiros oceânicos, gosta de pessoas e gosta de ensinar, então você poderá trabalhar com instrução básica de vela.

Possuir um barco relativamente novo ajuda nas duas opções, mas se tiver vai com o velinho mesmo.
Barcos novos dão menos manutenção e é justamente na manutenção do veleiro que a despesa anual aperta.

Um veleiro de instrução deve estar com todas as manutenções e revisões em dia e de preferência com velas e cabos em bom estado.

A hora de instrução particular pode varia de 50,00 a 300,00, dependendo do barco e da experiência do instrutor.

Quatro a seis pessoas seria o número ideal para garantir que todos consigam absorver os conteúdos dentro da carga horária proposta.

A despesa é muito baixa (diesel, água e frutas).

Habilitação da Marinha e capacidade técnica comprovada são imprescindíveis.

Sessões de 6 a 8 horas práticas por dia e uma carga horária total acima de 30 horas seria o mais recomendado para uma iniciação bem feita.

Não esqueça de elaborar uma boa apostila em PDF e enviar na efetivação das reservas. O pessoal vai ler com antecedência e não vai ficar “boiando” no início da instrução




quinta-feira, 2 de abril de 2020

Ganhando dinheiro com barcos. Parte 2 - Serviços com o próprio veleiro

Por Marcelo Visintainer Lopes – Escola de Vela Oceano

Instrutor de Vela e Consultor Náutico

São muitos os tipos de serviço que podemos realizar utilizando o próprio veleiro, principalmente nas marinas e nas ancoragens.

Criatividade, empenho e persistência são fundamentais para qualquer negócio dar certo.



Alugando o veleiro

Você poderá alugar o veleiro para diversas finalidades como produção de filmes e comerciais, ensaios, aniversários, curtir o pôr do sol embarcado, encontros empresariais, despedidas de solteiro, pré-wedding e tudo mais que você tiver criatividade para inventar.

Para estes tipos de serviço a experiência na vela passa a contar pontos importantes.
Você estará lidando com “passageiros”, mesmo que o trabalho seja realizado na poita ou próximo à marina.
Obviamente que experiência náutica nunca é demais. Quanto mais você tiver, melhor será a qualidade do seu serviço.
Conhecer as reações do seu barco, manutenções em dia, habilitação compatível com a navegação e um mínimo de conhecimento de vela e motor seriam necessários.

Para iniciar nos trabalhos de locação para eventos especiais um perfil bem trabalhado no Instagram daria conta.

Exigências básicas em relação ao serviço
Barco bem conservado, com um bom espaço externo (acima de 30 pés), limpo e bem arrumado.
Prestação do serviço com educação, cordialidade e responsabilidade.



Locação para passeios

A locação para passeios também conhecida como Charter é muito comum hoje em dia e é uma das primeiras coisas que vem à cabeça de quem recém comprou o barco.
Os custos são baixos e o lucro é muito bom com diárias variando entre R$ 600,00 e R$ 1.800, dependendo do tamanho do barco.
Barcos mais novos e maiores ficam na escala superior do valor das diárias.
Quase todos os dias vejo uma nova divulgação deste tipo de serviço no Instagram, principalmente na região de Angra e Paraty, mas também no Rio de Janeiro e Florianópolis.

Não existe uma legislação que proíba uma pessoa habilitada de alugar seu barco com fins recreativos, muito pelo contrário, a locação está prevista na NORMAN 03 da Marinha do Brasil.
A única exigência é que você esteja habilitado junto à Marinha (Arrais, Mestre ou Capitão).
A categoria vai depender do tipo de navegação que você vai empreender.
Se vai ficar dentro das baias abrigadas o Arrais Amador já serve.

Locais de pouco vento (Angra e Paraty) a chance de um “comandante com pouca experiência” dar certo é maior, mas mesmo assim, quando entra uma frente fria ou quando aparecem as trovoadas de verão, a falta de experiência do comandante pode colocá-lo em situações mais complicadas.

Normalmente os passageiros de uma locação consomem bebidas alcoólicas e o comandante deve ter a sua atenção redobrada.
Regras claras em um site, limitando a quantidade de bebidas e esclarecendo todas as regras de segurança ajudam a evitar desconfortos.
Manter-se próximo de abrigos também pode ser uma boa solução para evitar dores de cabeça no início da carreira.

Em locais famosos por ventar forte (Floripa, Ilhabela e Búzios) os cuidados do comandante são ainda maiores.
É importante e estratégico que ele ofereça outras opções de embarque e desembarque ao longo do passeio.

Pessoas tecnicamente despreparadas devem evitar passeios em condições de vento forte.
Não basta um comandante estar habilitado junto à Marinha para garantir a segurança de seus passageiros.
Habilitações nunca serão parâmetro para medir os conhecimentos práticos.


Algumas ideias não comuns

Embora não sejam comuns são serviços como outro qualquer.
Uma vantagem inicial é que para estes tipos de serviço a experiência na vela não é relevante.
O mais importante aqui é a quantidade e a qualidade dos relacionamentos que você é capaz de construir nos locais por onde passar.

São elas

Cuidador (a) de crianças, aulas particulares, massagem, yoga, manicure, corte de cabelo, pão artesanal, pizzaria, cafeteria e por aí vai...





quarta-feira, 1 de abril de 2020

Vela - infinitas possibilidades...

Novos tempos e novas prioridades...

Imagem: arte escola de vela oceano


Vela Oceânica em Florianópolis, Aula de Vela em Floripa, Escolas de Vela no Brasil
Aprenda a velejar em Floripa, Escola de Vela Oceano, Universidade da Vela no Brasil
Veleiro Floripa, Barco à Vela Florianópolis, Charter de Veleiro em Floripa
Como aprender a velejar? Quero aprender a velejar, Velejar é uma arte
Aluguel de barco em Floripa, Aluguel de Veleiro para comerciais e filmes
Curso de Veleiro, Escola de Veleiro, Curso Navegação Costeira, Curso Iatismo
Travessias Oceânicas, Vela de Cruzeiro, Curso de Vela de Cruzeiro
Escola de Iatismo, Vela de Cruzeiro, Vídeos de Veleiro, Vídeos Velejando
Professor Marcelo Visintainer Lopes, Velejar, Onde aprender a velejar?
Escola de Vela Itajaí, Curso de Vela Oceânica Itajaí, Aula de Vela Itajaí
Escola Veleiro Itajaí, Velejar Itajaí, comprar veleiro, vender veleiro, aulas de iatismo
Morar em um veleiro, morar a bordo, quanto custa morar em um veleiro
Costa do Brasil e Volta ao Mundo

terça-feira, 31 de março de 2020

Ganhando dinheiro com barcos. Parte 1 - Prestação de Serviços

Por Marcelo Visintainer Lopes – Escola de Vela Oceano

Instrutor de Vela e Consultor Náutico


Muita gente me pergunta se é possível ganhar a vida trabalhando na área náutica.
Eu sou o próprio exemplo disto. Trabalho exclusivamente com a vela a mais de 30 anos e conheço várias pessoas que também se ocupam de maneira parecida com a minha.


Vejo dois caminhos

O primeiro é utilizando o próprio veleiro.
O segundo é prestando serviços para terceiros.
As duas opções são bem remuneradas, já que há escassez de serviços em todas as áreas.

A primeira atitude a ser tomada é buscar a qualificação profissional e algumas especializações (se julgar necessário).
O importante é que seja em alguma área que lhe dê mais prazer em trabalhar.

Se você ainda não tem barco e não está inserido no meio náutico, o trabalho inicial é fazer relacionamentos. De nada adianta você estar apto a prestar o serviço se ninguém o conhece.

Depois disto a dica é buscar marinas e clubes de vela e colocar a cara.
Conversar, apresentar suas qualificações e oferecer os seus serviços.

Seus primeiros trabalhos serão os mais importantes, pois será através deles que as primeiras indicações aparecerão.
Também será através deles que você terá os primeiros materiais de endosso (fotos, vídeos e testemunhos dos clientes).
Este marco é importante, já que você ainda não tem nenhuma outra experiência comprovada e nem pessoas que possam atestar a qualidade do seu serviço.

Se você já presta serviço em áreas não ligadas ao mercado náutica tente aproveitar as suas experiências da melhor maneira. Às vezes basta uma pequena adaptação na forma e na técnica que você já sai executando serviços de qualidade.
Esta experiência anterior poderá lhe dar um bom empurrão no início.
A prestação de serviço náutico é minuciosa e muito particular. Todo o compromisso é pouco para garantir boas indicações.
Raramente encontramos pessoas desconhecidas oferecendo serviços na web.
Jamais eu contrataria um instalador hidráulico se eu não tivesse boas indicações do seu serviço.
Proprietários de veleiros são muito cuidadosos e não entregam seu patrimônio na mão de qualquer desconhecido.

Os serviços náuticos encontram-se concentrados basicamente na marinas e nos clubes de vela e é ali que o seu foco deve estar.
Se você estiver longe da estrutura de uma marina ou clube poderá oferecer seus serviços para todos os seus vizinhos de ancoragem.
Pegue o seu bote de apoio e se apresente como o vizinho de ancoragem que trabalha na manutenção de ...


Tipos de manutenção

Costurar velas e capotaria, fazer almofadas e trocar estofamentos, fazer vedações, aplicação de teka sintética, manutenção de motor de popa, manutenção de motor de centro, instalações e manutenções elétricas, instalações e manutenções hidráulicas, carpintaria, solda, limpeza de convés, limpeza interna, limpeza de costado, lubrificação de peças, troca de cabos, lixar, pintar e polir o casco, aplicação de verniz interno e externo e por aí vai...


Mergulho

O mergulho é um dos trabalhos mais requisitados no meio náutico.
São muitos os serviços para se fazer em baixo d’água:
Limpeza de casco, desentupimentos, manutenção preventiva, reparos na fibra, troca de hélice, troca de anôdos de sacrifício, achar coisas perdidas etc.
Com o mergulho, além de você gerar lucro trabalhando para terceiros, também conseguirá diminuir os seus próprios custos de manutenção e de alimentação.

É bom você ter ciência que o dinheiro como moeda é mais comum de ser usado em terra firme.
Seus vizinhos de ancoragem poderão trabalhar com outras formas não convencionais de pagamento e isto é muito normal.
Acostume-se com isto e muitos benefícios virão na carona da solidariedade!




domingo, 29 de março de 2020

O primeiro veleiro - os 7 erros mais comuns na hora da compra




Por Marcelo Visintainer Lopes
Instrutor de Vela Oceânica e Consultor Náutico


O auge da produção de veleiros no Brasil ocorreu nas décadas de 80 e 90 e são estes mesmos barcos que continuam dominando o mercado de usados até hoje.
A maior parte dos estaleiros desta época encerrou suas atividades e poucos estaleiros novos surgiram.
A constatação desta desigualdade é que o número de barcos produzidos dos anos 2000 até hoje é muito menor do que os produzidos no passado.
Sendo assim, a busca pelo barco ideal, principalmente o “primeiro barco”, passa a ser um trabalho de garimpo.
É necessário olhar muitos barcos para encontrar um que esteja em boas condições. Estamos falando de barcos com mais de 30 anos.
Por serem encontrados em menor número, os barcos mais novos tendem a sair mais rápido da “prateleira”.
Embora sejam comercializados mais rapidamente, não existe nenhuma garantia de são mais bem construídos que os antigos.
Muitas vezes é preferível comprar um barco antigo do que um mais recente produzido por um “estaleiro de fundo de quintal”.

Normalmente quem está buscando o seu “primeiro veleiro” ainda não possui conhecimento suficiente sobre marcas e modelos.
Antes de comprar um carro você faz uma grande pesquisa buscando descobrir as avaliações técnicas e as reclamações recorrentes.
No mercado de barcos não funciona assim. Quem compra um veleiro de procedência duvidosa, muitas vezes nem fica sabendo disto.
Os poucos comentários encontrados na web limitam-se ao desempenho, conforto, estética e outras coisas que não são relevantes na avaliação técnica.
Quando uma pessoa está olhando um barco para comprar, normalmente sua avaliação baseia-se naquilo que “mais salta aos olhos” como as madeiras bem envernizadas, os estofamentos e os instrumentos eletrônicos (mesmo que obsoletos).
A parte estrutural passa desapercebida e a maioria dos defeitos mais graves também.




Foi pensando nisto que criei uma lista com os erros mais comuns na avaliação.

1.Barcos abandonados

Primeiro exemplo
É cada vez mais comum encontrarmos veleiros “abandonados” pelos pátios da cidade e parar o carro para descobrir alguma coisa sobre eles é muito tentador. Confesso que já fiz isto inúmeras vezes.
Sempre temos a impressão de que poderão ser renovados facilmente.
Se o barco estiver à venda por um valor que considere justo, você vai dar um jeito de levá-lo para casa no mesmo dia.
Sua esposa vai adorar a surpresa! Rsrsrsrsrs
Onde está o problema?
O impulso da compra impede você de avaliar tecnicamente o que realmente interessa que é a integridade do casco e dos demais equipamentos.
Pessoas “normais” não conseguem enxergar o que há escondido por baixo da estrutura toda.
Velejadores com mais experiência avaliam a estrutura e já calculam o valor aproximado da reforma.
Toda a precaução nesta hora é importante, pois o impulso pode levar você a comprar um barco condenado.

Os demais componentes
Barcos velhos normalmente apresentam corrosão galvânica nos perfis de mastro e retranca e dependendo do estado, a substituição é a única solução.
Se o motor não estiver 100%, o custo de aquisição de um novo poderá passar da metade do valor barco ou até mais.
Velas, cabos e estaiamento são passíveis de troca, mas somando tudo é possível que a conta chegue próxima de um veleiro pronto (sem nada pra fazer).


Segundo exemplo
Você encontra um barco em situação parecida com a anterior só que desta vez trata-se de uma construção artesanal (barco feito em casa).
Não há nada de errado com a cultura da construção artesanal. A única exigência é que o projetista seja conhecido e que o projeto seja executado à risca.
Quem constrói seu próprio veleiro sente um orgulho enorme em ter conseguido executar o projeto do início ao fim.
O que frustra a maioria dos construtores artesanais é sempre o custo final.
Quase sempre o valor investido daria para comprar um barco novo ou semi novo do mesmo tamanho ou até maior.
O segundo detalhe é a desvalorização no momento da venda, pois existe uma diferença grande entre o seu custo final e o valor percebido (valor de mercado).


2.Recall
Alguns barcos produzidos no Brasil apresentam problemas recorrentes.
A diferença entre a fabricação de barcos e a fabricação de carros é que as fábricas de automóveis são obrigadas a comunicar os proprietários sobre problemas mais graves e os estaleiros não.
Você conhece algum modelo de veleiro que já apresentou problemas recorrentes?
Eu conheço vários...
Se você não conhece nenhuma pessoa com conhecimento do mercado náutico eu aconselho que você se dirija até uma marina e converse com o pessoal de manutenção (especialmente fibra e pintura). É a melhor maneira para descobrir a verdade sobre os estaleiros. Este pessoal sabe tudo sobre a resistência dos cascos e vão contar a você quais são os modelos mais fortes e os mais fracos.
Como eles acompanham o içamento dos barcos para cima das carretas ou para apoiá-los sobre a quilha (quando ficam no chão), sabem direitinho “onde o nó aperta”.
A notícia boa é que existem poucos modelos que apresentam problemas!
Não desista!!


3.O barco não atendeu suas expectativas

Você percebeu que...
- Balança muito
- Não consegue se acomodar - ele é muito apertado
- Não tem banheiro
- A cozinha é muito pequena
- Ele é muito lento - faz médias inferiores a 5 nós
- Ele é grande demais e que é necessário fazer muita força para velejar
- Ele é muito pequeno e nervoso.
- Ele faz uns barulhos e ringidos estranhos

Barcos pequenos (12 a 23 pés em média) não foram concebidos para proporcionar conforto ao velejar.
Muitos deles não foram pensados para navegar no mar, só em lagoas e lagos.
Se você não se importar de tomar uma onda ou outra na cara eu não vejo muito problema, mas antes pesquise sobre o tipo de água para qual o barco foi construído.

Veleiros com problemas estruturais costumam ringir de verdade. Quanto mais vento e ondas, mas ringidos aparecem.
Pode ser a porta de armário ou a porta de uma cabine. Até aí nenhum absurdo. O problema é quando as anteparas (tipo paredes internas que possuem a função estrutural) começam a se deslocar.
Estes barulhos aparecem quando o barco sofre algum tipo de deformação. Pode ser no encontro com as ondas, na ação do vento mais forte refletindo nas velas e outros. Elas estão previstas no projeto e os reforços estruturais servem exatamente para isto.
Só não podem ocorrer ao ponto de provocar descolamentos de materiais ou delaminações na fibra.


4.Comprou um pequeno, mas poderia ter comprado um maior
A única exigência para comprar o barco do tamanho definitivo é você ter a certeza absoluta que gosta de velejar.
As trocas por modelos maiores só geram perda de tempo e de dinheiro. Tempo para conseguir vender (pode demorar bastante) e talvez algum dinheiro com a depreciação.
Muitos velejadores gostam de falar que devemos começar pelo pequeno e depois ir subindo. Isto é coisa do passado, onde o acesso ao dinheiro era mais difícil e para trocar de barco o cara tinha que ser bem de vida.
Existia também a cultura equivocada que dizia que aprender no pequeno te dá “sensibilidade”. De fato, se você aprender no pequeno conhecerá com mais facilidade as tendências de um barco maior, só que isto só vai funcionar até um determinado tamanho de barco.
A sensibilidade que você adquiriu velejando em um Laser por exemplo, não encontra lugar em um veleiro acima de 30 pés e com roda de leme.
Se os processos de ensino da vela contemplassem este raciocínio pedagógico você seria “obrigado” a passar primeiro pelo monotipo para depois acessar os cursos de vela oceânica.
Definitivamente não é assim que funciona. Se fosse assim as escolas de vela não teriam cursos de iniciação à vela oceânica disponíveis para adultos sem experiência.
Velejadores com experiência em classes menores (monotipos) velejam em qualquer tipo de barco, sem a necessidade de passarem por cursos mais avançados.


5.Aprender por conta própria
Sempre digo a mesma coisa em relação a este tipo de atitude: se você estiver sozinho a bordo o problema será só seu!
A irresponsabilidade começa quando você coloca outras pessoas no mesmo barco.
Essa não é a atitude mais sensata e segura a ser tomada, pois manobras equivocadas costumam causar sérios acidentes a bordo.
Velejar é prática e repetição continuada assistida por um profissional.
O resto é perda de tempo e negligência com a segurança da tripulação.
Tutoriais na internet não ensinam a velejar. É impossível aprender a comandar um veleiro oceânico sem uma pessoa mais experiente ao seu lado.
Ao longo dos meus 45 anos de vela tenho acompanhado a difícil trajetória de quem fez esta escolha. O que eu posso relatar é que elas continuam tensas, inseguras e cometendo os mesmos erros de sempre.


6.Barco “zero km” é garantia de qualidade?
A resposta é sim, desde que o estaleiro possua responsabilidade com os seus clientes.
Se você não tiver boas referências é melhor comprar um barco mais antigo, mas com procedência garantida.
Existem alguns (poucos) estaleiros que utilizam processos de laminação duvidosos e empregam pouca quantidade de material, diminuindo a resistência estrutural. Este o mais antigo e o mais imoral artifício utilizado para a redução de custos.
Geralmente são barcos com valores atrativos, porém inadequados para velejar com segurança.
Estaleiros deste tipo poderiam produzir caixas d’água e piscinas, mas veleiros nunca!
Você já ouviu falar de algum assim?


7.Comprar um veleiro e guardá-lo na garagem
Veleiros oceânicos de quilha fixa não foram criados para ficar longe da água.
Você deve procurar locais com vagas molhadas, rampa com guincho ou trator ou que possuam sistemas de içamento com pau de carga ou travel lift.
Veleiros de até uns 23 pés com bolina ou quilha retrátil podem ser guardados em casa com mais facilidade.
Uma coisa é guardar e a outra é velejar.
A vontade de velejar vai diminuindo gradativamente em função da trabalheira toda...
Deslocar o barco até uma rampa, baixar, montar, guardar o carro e a carreta em algum local seguro, velejar, desmontar, buscar o carro, subir e levar de volta para casa...
Ufa! Cansei só de falar o passo a passo, imagina lá na hora?
Você só aproveitará um veleiro de verdade se ele permanecer na água ou bem perto dela!
Existem clubes e marinas que mantém os barcos em seco, mas daí o trabalho de colocar e tirar é todo deles.
Nestes casos não há necessidade de tirar e colocar o mastro.
Antes de bater o martelo na compra do veleiro você deve pesquisar sobre as possibilidades de guarda (marina ou clube).
O bom mesmo é ir fazendo a busca do barco e da vaga em paralelo.
No caso do clube, não compre o título sem antes saber se existe vaga para o barco e sem antes conhecer bem o estatuto.
Pode acontecer de você adquirir o título e não haver disponibilidade dentro d’água e também pode acontecer de você querer morar a bordo e o estatuto não permitir.
Se for uma marina, descubra se a estrutura é capaz de atender suas necessidades bem como se os horários de atendimento condizem com os seus horários de utilização do barco.
Se você está pensando em viver a bordo, busque um local abrigado de todos os ventos e longe de ondas.
Minha marina é um bom exemplo disto. Ela fica no bairro de Santo Antônio de Lisboa em Florianópolis.
O local é bem protegido de norte a sudeste, porém completamente aberto de sul a noroeste.
Para morar no barco é preferível ficar longe de uma estrutura de marina, mas abrigado em uma boa enseada.